Notícias


Publicado em:
4
12/2018

Piscinas: Cuidados asseguram saúde dos banhistas e qualidade dos equipamentos

O correto tratamento químico da água pode evitar uma série de dores de cabeça, inclusive a dengue.



Metatags: Tratamento químico, saúde, água, verão, cloro, piscina, pH
Pixabay

Pode parecer clichê, porém não é demais dizer que para que a diversão na piscina seja garantida, a água deve estar sempre em perfeitas condições. É imprescindível que após a limpeza física, seja feito também um tratamento químico que impeça a proliferação de algas e microrganismos, garantindo a saúde dos banhistas e evitando ainda a possibilidade de proliferação da dengue.

Especialistas afirmam que pequenos detalhes podem fazer a diferença e, além de proteger a saúde, mantêm as piscinas e seus equipamentos em perfeito estado.

Veja algumas dicas técnicas, porém simples, sobre o assunto.

Frequência – Em piscinas usadas diariamente, o tratamento químico deve ser feito todos os dias, ao passo que se utilizadas só nos finais de semana, por exemplo, a operação deve ser realizada em dias alternados. Antes da execução da tarefa é necessário checar os parâmetros da água (pH e alcalinidade), corrigindo-os, se necessário. Também deve-se seguir rigorosamente as instruções de uso dos produtos.

Principais produtos – O hipoclorito de cálcio, conhecido como cloro granulado, é um dos produtos mais utilizados devido à eficiência e às características químicas, além de ser de fácil armazenagem e mais seguro. Também bastante usado, o cloro em tablete possui solubilidade lenta e é recomendado para cloração de manutenção. Existem outros produtos que mantêm a água cristalina e saudável, tal como o algicida de manutenção e os clarificantes.

Como calcular – Para calcular a quantidade de produto a ser utilizada, deve-se saber qual o volume total da água da piscina. A fórmula é: volume total da água x quantidade específica na embalagem do produto. De acordo com especialistas, o número de banhistas também influencia no cálculo, principalmente, com relação à dosagem do cloro. Em piscinas muito frequentadas, a quantidade deve ser aumentada em, pelo menos, 50%.

pH da água – Pelo menos uma vez por semana deve ser medido o pH da água, bem como ajustado na faixa de 7 e 7,4. Para isso, devem ser usados kits de análise. Caso o pH esteja desajustado, pode haver irritação na pele, olhos e mucosas, além de diminuir a eficiência do cloro. O pH correto garante a eficácia da desinfecção, conforto dos banhistas e, inclusive, proteção dos equipamentos metálicos. Entretanto, para corrigi-lo é necessário um redutor ou elevador de pH caso ele esteja alto ou baixo, respectivamente.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Indústria 4.0: cibersegurança é fundamental

O alerta vem da Abinc, que salienta a importância da segurança na tecnologia do parque operacional.
Leia Mais

Serasa Experian dá dicas para os consumidores realizarem compras onlines

Especialista em Certificação Digital aponta os principais pontos que os internautas devem se atentar para não caírem em fraudes.
Leia Mais

Especialista alerta sobre o perigo dos gestores tóxicos

Susana Falchi, da HSD Consultoria em RH, aborda o problema das gestões negativas que resultam em processos de assédio moral.
Leia Mais