Comércio Digital

5 dicas para abrir uma loja virtual com os R$ 500 do FGTS

Pesquisa da Loja Integrada e da XTECH Commerce aponta que é possível abrir uma loja virtual com pequeno investimento

 

Sim, é possível empreender no Brasil com cerca de R$ 500! De acordo com levantamento da Loja integrada e da XTECH Commerce - plataformas para criação de lojas virtuais - em 2018, 31% dos brasileiros abriram um negócio na internet com investimento inicial de R$ 100 a R$ 500.

Alfredo Soares, especialista em comércio eletrônico e diretor das plataformas Loja Integrada e XTECH Commerce, listou 5 dicas e vantagens de abrir uma loja virtual com os R$ 500 do FGTS:

1) Estude e busque aperfeiçoamento

Já existe no mercado muitos livros técnicos, cursos presenciais e online sobre como estruturar um comércio eletrônico. Sebrae, instituições com foco em negócios digitais e até plataformas de comércio eletrônico oferecem bons cursos.

2) Aposte no home-office

Empreender online é mais barato do que abrir um negócio físico. Por isso, a primeira dica é escolher um cantinho na sua própria casa para começar a sua empresa.

3) Não é preciso ter uma equipe para começar

Ao abrir um E-commerce você não precisa, necessariamente, contar com uma equipe. A dica é organizar uma rotina e levar a sério a sua empresa, com horários para responder os seus consumidores, separar pedidos e enviar produtos.

4) É possível começar com baixo investimento em estoque

É possível começar a vender na internet com uma quantidade limitada no estoque - estoque em casa, além disso é possível vender seus produtos sob demanda.

 

5) Tenha um bom plano e capriche no atendimento

Criar um plano de ação é fundamental. Aproveite datas comemorativas para fidelizar clientes e aposte nas redes sociais para ganhar visibilidade. Além disso, capriche no bom atendimento - isso fará com que os clientes comprem e divulguem a sua loja.

 

Leia também: Mais de 90% dos vendedores usam ferramentas digitais para fechar negócios

Leia também: Experiências digitais no varejo aumentam de 4% a 8% a receita das marcas

 

Fonte: Primeira Página, com informações da XTech Commerce.

Redes Sociais